Penalidades para quem não paga o IPVA

O dia 21 de julho foi o prazo final para quem decidiu efetuar o pagamento do IPVA parcelado, e quem não efetuou o devido pagamento das parcelas terá que gerar uma nova guia para pagamento e desta vez sem parcelas e sim se tiver mais de uma parcela em atraso terá que quitá-las todas de uma única vez.

O não pagamento gera penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro, e o Departamento de Trânsito do Paraná efetuou uma lista de consequência que o motorista terá que enfrentar caso não tenha efetuado o pagamento de todas as parcelas.

O IPVA é de cobrança da Secretaria do Estado da Fazenda, e o Detran, por sua vez, tem a obrigação de orientar os proprietários do veículo, assim quando o imposto não é pago implica na documentação do veículo, e atrapalha na venda e compra, transferência e fiscalizações do mesmo. Com o imposto não pago o proprietário não recebe o certificado de licenciamento do veículo, que por sua vez é obrigatório e que somente será emitido após o pagamento do imposto. Sendo que o período de pagamento do licenciamento para este ano de 2014 terá início em agosto e terá o vencimento conforme o número da placa do veículo. O não pagamento do IPVA além de implicar nos documentos de transferência de veículo também não será emitida a certidão negativa de débitos do proprietário. Por isso é sempre bom estar de olho.

O imposto deverá ser pago em valor integral, no caixa de atendimento, com o número do Renavam, nas instituições bancárias credenciadas ao governo do Estado do Paraná, como Banco do Brasil, Sicredi, Bradesco e Banco Itaú. Ou através de boleto impresso no site da Fazenda em serviços rápidos. Lembrando que os municípios recebem 50% do valor arrecadado do IPVA, tudo de acordo com o número de veículos emplacados na localidade.

Por Antônia Mendes

Queda na Venda de Carros no Brasil

O problema no setor do comércio de automóveis já estava meio que anunciado. As dificuldades já vêm se arrastando a um bom tempo e algumas perspectivas sugerem ainda uma piora do mercado. Nesse cenário, temos o fato de que só no primeiro trimestre deste ano o setor de automóveis apresentou uma queda de 7,33% nas vendas. Isso comparando com o mesmo período do ano anterior. Mesmo atingindo diversas regiões do país, algumas apresentam dificuldades ainda maiores como é o caso do Rio Grande do Norte. A redução nas vendas no Estado foram bem maiores atingindo a faixa de 8,32%.

O Nordeste inteiro sentiu o impacto, mas conforme os números apresentados, o Estado em questão foi bem mais atingindo do que os seus vizinhos. Para a região como um todo a redução foi de 4%. Acrescente-se a isso o fato do período da Copa do Mundo, que dificulta ainda mais as negociações, quando surgem é claro.

Rodrigo Cândido, presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores no Rio Grande do Norte (Fenabrave/RN), comentou sobre o assunto em uma entrevista concedida ao portal Tribuna do Norte.

Sobre as quedas do início do ano, Rodrigo chama a atenção que não é apenas ruim. Foi algo gigantesco e que não estava sendo esperado pelo mercado. A perspectiva é de que não haveria crescimento no ano e não uma queda absurda. O espanto em relação à queda até que é justificado quando consideramos que o Brasil nos últimos dez anos veio crescendo.

Ao contrário de alguns especialistas, Rodrigo não culpa exclusivamente o aumento das taxas de juros pela queda, ele aponta o fato de que cerca de 55% dos carros são financiados. As financeiras, por sua vez, têm avaliado cada vez mais os riscos e adquirindo a tendência de aprovar um crédito relativamente bom. Basicamente isso quer dizer que se a pessoa não tiver um crédito muito bom dificilmente ela vai conseguir, por exemplo, comprar um modelo 0 km sem dar entrada.

Em relação à inadimplência, Rodrigo destaca que no setor está na casa dos 3,5%, o que é um número muito alto, uma vez que a expectativa era de algo em torno dos 1,7% ou 1,8%.

Mesmo com todo esse cenário desagradável no setor automobilístico, Rodrigo chama a atenção que esse é um bom momento para quem quer comprar um carro. O motivo é bastante simples, cada dia que passa as montadoras e concessionárias estão ficando mais cheias de carros. Como consequência, o esforço para vender é bem maior e aí vale de tudo um pouco, como IPVA grátis, promoções, descontos, som grátis, etc.

Por Denisson Soares